Quem leu o post sobre nossa experiência ruim com a ViajaNet (esse aqui ó) sabe que comprei as passagens de nossa última viagem para voar com a Air Royal Maroc e não tinha ideia do que esperar já que não conhecia ninguém que tivesse voado com a companhia. Ambos os trechos adquiridos faziam escala em Casablanca, uma conexão curta na ida e uma conexão longa na volta.

Poucas pessoas sabem que conexões com tempo de espera acima de 8 horas dão direito a reembolso ou voucher de despesas – que podem incluir hospedagem em caso de pernoite. Esse era o nosso caso e me informei no check-in da ida sobre o hotel na volta, pois chegaríamos as 17 horas no Marrocos e partiríamos apenas as 16 horas do dia seguinte. Fui informada de que todo o procedimento deveria ser feito direto com a equipe da Royal, no aeroporto de Casablanca.

Pois bem, embarcamos em Valência e duas horas e meia depois estávamos no Marrocos. Passamos pela imigração – e os agentes estavam todos ocupados assistindo ao jogo de classificação da seleção nacional entre um atendimento e outro. Não tivemos grandes surpresas, caso você precise passar pelo mesmo processo, basta colocar no formulário que está em transito no país 😉 .

A companhia tem no segundo andar do aeroporto uma sala de atendimento para passageiros em conexão, lá pediram apenas nossas passagens e nos deram um papel referente a uma diária no Atlas Sky Hotel. Tudo certo, bastava chegarmos até lá.

Na área de fora do aeroporto os marroquinos estavam em festa, classificados para o mundial.
Seguimos para a parada do transfer, muito bem sinalizada com uma placa enorme 🙂 . O veículo não demorou para chegar, uma van identificada com o nome do hotel e onde embarcaram vários outros passageiros (muitos brasileiros).

O Atlas fica apenas 2,5 quilômetros do aeroporto e chegamos rapidamente. Na recepção apresentamos nossos vouchers e recebemos outro para o jantar. Subimos para o quarto e ficamos impressionados com a qualidade do hotel, muito confortável. Descemos para o restaurante e nos foi servido o menu completo, entrada, prato principal, sobremesa e água 😀 .

Dormimos muito bem e na manhã seguinte mais uma surpresa, o café da manhã tinha muitas opções e era quase como um almoço. Ficamos uma hora ali comendo e decidindo se deveríamos ir até o centro da cidade ou não, já que estávamos 35 quilômetros longe de lá.

Depois de cotar a corrida no Uber e estimar o tempo decidimos que os detalhes de Casablanca ficariam para uma próxima oportunidade 🙁 . Contudo, isso não nos impediu de caminhar pelo bairro e experimentar ao menos um pouco dessa cultura tão diferente da nossa.

Depois de caminhar aproveitamos nossos últimos momentos na beira da piscina, tomando a cerveja mais cara que já compramos até hoje (essa despesa não estava coberta infelizmente haha 😛 ). Detalhe importante: quase tudo pode ser pago em euro ou dólar por lá e não houve necessidade de realizar câmbio.

Como informado, fizemos check-out as 13 horas, recebemos voucher para almoço ainda no hotel e depois pegamos o transfer de volta para o aeroporto.

Testada e aprovada a acomodação da Royal Air Maroc para clientes em escala, aliás… Aprovado todo serviço da companhia: os aviões, a comida, o atendimento (li estória de gente que infelizmente não teve a mesma sorte, mas eu particularmente não tenho do que reclamar).
Deu tudo certo, foi rápido mas deu gostinho de quero mais 😀 .

E você já fez escala em algum lugar improvável, ou já se hospedou por conta da companhia aérea?
Me conta tudo? Tô doida para saber 🙂 .