Hoje estou nostálgica, nostálgica de uma viagem que fizemos alguns pares de anos atrás.
Era um fim de semana normal, mas tínhamos urgência em fugir, fosse da nossa rotina, fosse de nós mesmos. Seguindo o instinto e sem maiores planos fomos para Ilhabela.

Fazia frio e nem dê longe a praia seria uma boa opção, mas foi um chamado para estar perto do mar.
Éramos jovens e inexperientes, no nosso relacionamento, nas nossas viagens e na vida para questionar.

Escolhemos uma pousada aleatoriamente.
Uma boa escolha no lado sul, um refúgio, um lugar pra descansar.

Pegamos o carro, compramos alguma comida e descemos a serra.
Seguimos boa parte do caminho sem conversar.
Na balsa foi preciso falar, quando silêncio deixou de ser amigo e passou a incomodar.
Era noite e não tinha qualquer beleza para apreciar, nada ao alcance dos olhos ou ouvidos, só escuridão.

O dia seguinte amanheceu nublado, a chuva ia e vinha e nós íamos com ela.
Aproveitamos para nos abrigar um no outro, em nossa cumplicidade velada.

Saímos pra comer no centro, andamos pelas ruas, observamos as pessoas.
Justificamos os votos em uma escola qualquer: as obrigações perseguem.
Rimos e choramos um para o outro e para nós mesmos.
O dia seguinte finalmente trouxe o sol.
Encontramos amor, encontramos acalento e finalmente nos (re)encontramos.

A ilha é mesmo linda.
Faça o tempo que fizer.
Um lugar para te dar o que você está procurando.
Ainda que você não saiba o que é 😉 .

Ficha Técnica de Ilhabela
Distância: 200km de São Paulo
Pedágio: R$20,52 o trecho (valores atualizados aqui)
Balsa: R$27,70 o trecho aos fins de semana e feriados (valores atualizados aqui)
Nossa hospedagem: Pousada Villa da Prainha (reservas aqui).
O que fazer: praias, cachoeiras, trilhas e esportes náuticos (vela, surfe, windsurf, kitesurf).