Segunda parada da nossa road trip pela Rota das Emoções foi no Maranhão, para finalmente conhecermos os Lençóis Maranhenses. O lugar mais lindo do Brasil que você respeita 😛 .
Ps. Quem perdeu os dois primeiros posts dessa série, clica aqui e aqui.

Saímos de Jericoacoara no inicio da manhã e percorremos 402 quilômetros de estradas boas e ruins até chegarmos no meio de tarde em Barreirinhas. Essa pequena cidade serve de base para turistas que vão visitar os lençóis, outra opção disponível, mas com menos estrutura é Atins.

Por lá escolhemos nos hospedar no Paraíso do Caju Turismo Alternativo, um hostel com uma proposta sustentável bastante interessante. Um lugar simples, sem luxo e com pé na areia, bastante verde, muitos animais e gente do mundo todo para confraternizar. Fizemos nossa reserva através do Booking e escolhemos um quarto privado para podermos descansar com mais privacidade 🙂 .

Antes de encontrarmos nossa hospedagem, fomos perseguidos por um guia maluco numa moto que não se deu por vencido até finalmente pararmos o carro para falar com ele, não se assuste se isso acontecer com você. Dica, o motoqueiro doidão 😛 , acabou nos levando até o hostel e depois até a agência – Malibu Turismo – onde fechamos os passeios. Por fim, ele nos levou até um restaurante para almoçarmos (ás 17 horas, imagina a fome que estávamos).

Chegamos ao Bela Vista, um restaurante lindo com um deck virado para o Rio Preguiça, lá almoçamos (ou jantamos) tranquilamente enquanto víamos o dia se tornar noite. Para finalizar, saímos para caminhar pela cidade, tomamos sorvete das frutas típicas em uma das sorveterias espalhadas por lá e voltamos cedo para descansar da longa viagem de carro e também porque no outro dia acordaríamos cedo para fazer o tour de Atins.

Atins é um vilarejo de pescadores que promete se tornar a nova Jericoacoara do Nordeste, devido aos investimentos estrangeiros que vem recebendo (notamos uma forte presença dos franceses por lá, em sua maioria eram investidores construindo pousadas e hotéis).

O passeio normalmente é feito por fora das dunas, por uma região de mata que devido à época de chuva estava alagada demais para os veículos transitarem. Quando isso acontece o governo libera os carros para transitarem por dentro do parque. O dia, desde o começo, nós contamos agora:

Sérgio, um paulista que largou tudo para ser guia em Bonito e depois se mudou para o Maranhão para se tornar o melhor guia que poderíamos encontrar, nos pegou bem cedo no hostel. O caminho até o parque cortou a cidade de Barreirinhas atravessou uma balsa e entrou em uma estrada de terra e areia. Depois da portaria foram mais 30 minutos de sacolejo até as dunas surgirem.

O Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses foi criado em 1981 e é administrado pelo ICMBio. Trata-se de uma área de dunas maior que a cidade de São Paulo (a maior do Brasil), apresentando ecossistemas de mangue e restinga. Abaixo dele passam lençóis freáticos que transbordam no período de chuvas intensas que acomete a região, formando assim as famosas lagoas cristalinas.

Nós cruzamos o parque, ESTARRECIDOS com o cenário, ficamos com o sorriso congelado no rosto de tanto deslumbramento. Mais do que qualquer foto poderia mostrar 😀 .

Seguimos direto para praia, onde paramos um tempo para tomar um banho de mar. Atins é muito procurada para pratica de Kite e Surfe, mas não encontramos praticantes desses esportes por lá, pois não era época de ventos fortes. Depois da praia seguimos para o Restaurante da Dona Luzia, onde – segundo eles – é servido o melhor camarão do mundo. A comida é ótima e os preços ainda melhores, depois do almoço você pode descansar nas redes dispostas no quintal, porque essa vida de praia e camarão cansa qualquer um não é? Haha.

Após o almoço partimos para a melhor parte do passeio – mais aguardada para nós, o banho nas lagoas. Paramos em duas no caminho de volta e curtirmos muito, pois o nível da água estava na altura do peito em ambas.

Queríamos ter palavras para descrever o real sentimento que nos acometeu ao nadarmos em uma lagoa cristalina, formada pela chuva, de água morna e cheia de peixinhos, rodeada de dunas brancas e com um céu azul, mas não temos. Apenas acredite no divino e agradeça quando algo assim te acontecer.

Esse dia fez valer todos os dias complicados que já passamos na vida, era como estar em outro planeta, onde tudo é surrealmente fora do cotidiano e magicamente belo e perfeito. Não deu pra entender nada, né? Pois é… Melhor você ir lá e ver hahaha 😛 .

Voltamos para Barreirinhas no final do dia e em baixo de chuva, fomos comer e beber alguma coisa as margens do rio novamente, mas dessa vez no Terraço Gourmet onde rolava música ao vivo.

A manhã seguinte estava reservada para a Lagoa Azul, um tour que explora essa e algumas outras lagoas que estão próximas à entrada do parque. É o passeio para quem faz bate e volta de São Luis, nosso grupo era formado principalmente por turistas vindos da capital. A Lagoa Azul estava com menor volume de água que as lagoas do dia anterior, mas o tom da água dela era incrivelmente turquesa, mesmo com o templo nublado, lindo demais.

Voltamos já na metade do dia para cidade e era hora de dizer tchau ao Maranhão. Antes de finalizar, um resumo financeiro: o tour de Atins custou R$120 e o da Lagoa Azul R$70 por pessoa, os valores podem ser parcelados. O melhor camarão do mundo custou apenas R$36, são catorze unidades grandes, com arroz, feijão, salada e farofa, um prato foi suficiente para nós dois. Os demais restaurantes também não custaram caro, os valores são bem acessíveis por lá.

Deixamos de fazer muitas atividades que a região oferece, por pura falta de tempo. Recomendamos fortemente que você vá com mais calma e que faça de Barreirinhas sua base por pelo menos quatro dias, você não vai se arrepender. Algumas vezes nós criamos muita expectativa e isso acaba atrapalhando a experiência final. Os lençóis nos proporcionaram o contrário, todas nossas expectativas foram superadas e por isso seremos eternamente gratos.

Não deixe de visitar pelo menos uma vez na vida, conselho de amigos. É amor!
Ah, programe-se para ir à época de cheia, para aproveitar os banhos maravilhosos.
Seguimos viagem para o Piauí no próximo post 🙂 .