Oi gente! Falamos que voltaríamos rápido e olha ai, missão cumprida!
Hoje vamos falar sobre nosso roteiro de um dia por Puerto Iguazú, na Argentina 😊.

Para quem não faz ideia de onde fica Puerto Iguazú uma breve introdução: apenas dezoito quilômetros distante da área das Cataratas do Iguaçu a cidade faz parte da região conhecida como Tríplice Fronteira junto à Foz do Iguaçu no Brasil e Ciudad del Este no Paraguai. Saindo de carro de Foz chega-se em Puerto em menos de meia hora, parada quase obrigatória.

Pois bem, reservamos um dia de nossa estadia na região para visitar os “hermanos” e o nosso roteiro de um dia você confere abaixo:IMG_6146

Fronteira: A fronteira com a Argentina fica no meio do caminho para as cataratas do lado do Brasil. É bem fácil chegar até lá e o controle migratório não foge do padrão do aeroporto com relação a verificação dos documentos dos passageiros mas inclui uma breve inspeção do veículo (porta-malas). Aqui vale ressaltar um detalhe, os documentos oficiais para entrada em outros países são o passaporte e o RG – este último para os países pertencentes ao Mercosul – contudo descobrimos em Foz (graças a minha mãe que esqueceu de levar o RG 😛 haha) que é possível atravessar a fronteira da Argentina portando apenas o documento de habilitação, fica a dica!

Cataratas do lado argentino: não perdemos tempo e fomos direto até a o Parque Nacional Iguazú, sem segredos para chegar até lá, basta seguir pela Rota 12 (saindo à esquerda na primeira rotatória após a fronteira). O local conta com estacionamento próprio, que é pago no momento da aquisição dos ingressos. A parte chata é que o parque não aceita nenhum tipo de pagamento além de moeda local (as tarifas atualizadas podem ser conferidas aqui). Nós procuramos uma casa de câmbio em Puerto e não achamos que seria difícil encontrar já que do lado brasileiro a oferta de operadoras é abundante, mas para desespero total da nação não encontramos nenhuma. Arriscamos tudo indo até o parque apenas com reais no bolso, mas aparentemente os argentinos também são adeptos do jeitinho e conseguimos trocar o dinheiro em uma das lojinhas de presentes localizadas na entrada (tivemos que adquirir um número de itens equivalente ao números de entradas que precisávamos e também pagamos o pior cambio de nossas vidas). Muita gente pergunta qual o lado é mais bonito e se vale a pena conhecer os dois lados e nossas respostas são: 1- não sabemos dizer qual o lado mais lindo, ambos te darão perspectivas diferentes das quedas, do lado brasileiro uma visão da parte inferior e do lado argentino uma visão da parte superior e 2- sim achamos MUITO válido visitar os dois lados do parque para tirar suas próprias conclusões. O parque conta com toda estrutura, banheiros e lanchonetes, lá dentro todas as lojas aceitam pagamento em cartão e moeda estrangeira (com cambio péssimo 🙁 ). Fizemos dois circuitos, o inferior que nos mostrou algumas quedas que não vimos nem a distância do lado brasileiro e a vista superior da Garganta do Diabo que foi de longe uma das maiores emoções das nossas vidas, uma energia que não seriamos capazes de descrever, muito maravilhoso mesmo!IMG_6186IceBar Igauzú: o bar de gelo é aquele programa turistão, mas bem turistão mesmo 😛 ! Nós fomos porque ficamos frustrados em Bariloche, quando o bar de lá estava fechado para a manutenção e não conseguimos visitar. Localizado também na Rota 12, no caminho de volta à Puerto Iguazú, o Icebar é um bar feito inteiro de gelo, onde os visitantes desfrutam por trinta minutos cronometrados de um open bar em um ambiente com temperatura de 10 graus negativos. Horário e tarifas podem ser encontrados aqui, o estabelecimento só aceita pagamento em pesos argentinos, mas é possível adquirir as entradas antecipadamente pela Loumar Turismo pagando em reais e via cartão de crédito (link aqui), foi o que fizemos. Nós curtimos como nunca nossos poucos minutos – até postamos um vídeo da trilha sonora na nossa página no face, se ainda não viu, clica aqui 😊. As blusas e luvas são disponibilizadas pelo estabelecimento, nós fomos de shorts e chinelo e deu pra suportar. Vale a pena para conhecer, mas não espere muito, os drinques são simples e as opções limitadas, o passeio é aberto para todas as idades.FullSizeRenderDuty Free Puerto Iguazú: Nossa última parada do dia foi no duty free, afinal quem nunca, né? Haha. Ele fica localizado literalmente na fronteira entre os países. Chegamos por volta de cinco e meia da tarde e estava bem cheio. Lá encontramos uma oferta limitada de marcas, por exemplo: eles ofertam Nike mas não ofertam Adidas. Os preços também decepcionaram, as bebidas estavam baratas mas os outros itens estavam com preço bem similar ao praticado no Brasil – após conversão. No geral vale muito mais a pena comprar no Paraguai (falaremos sobre compras em Ciudad Del Este em breve, aguardem). Nós trouxemos alguns vinhos e só, encaramos mais de uma hora de fila nos caixas.
IMG_6291 Outras observações aleatórias:
– Fomos parados por alguns oficiais, não sabemos se policiais ou não, eles pediram para meu pai descer do carro e fizeram duas perguntas que foram respondidas com “não entendi” (ele realmente não entendeu) e fomos liberados em seguida;
– Os guias do Parque Iguazú são maravilhosos e muito prestativos, falam bem devagar e é bem simples entender. Eles nos deram dicas valiosas sobre como desfrutar das atrações sem perder tempo;
– Toca basicamente só música brasileira no bar de gelo e tem basicamente só brasileiros lá dentro haha. Os fotógrafos do local oferecem fotos lindas feitas dentro do ambiente, todavia o pagamento só pode ser feito em espécie (aceitam reais).

Bom, esse foi nosso roteiro e nossa breve passagem por Puerto Iguazú.
Foi uma experiência tranquila e válida, que recomendamos para quem estiver na região.
Se você tiver qualquer dúvida comenta aqui em baixo e vamos tentar ajudar!
Não perca nossos próximos posts, ainda vamos falar sobre o Paraguai e sobre algumas atrações que visitamos do lado brasileiro. Continue na estrada e nos vemos lá! 😀